Esta página foi traduzida automaticamente para português. Clique aqui para mais pormenores

A l'occasion de la Journée Internationale des droits de la Femme, le Cluster Logistique en République Centrafricaine (RCA) a facilité une semaine d'activités, dans le cadre l'Initiative Genre du Programme Alimentaire Mondiale (WFP) en RCA.

Avec le support et la facilitation de la cellule de coordination du Cluster Logistique, O PAM e a ONG Première Urgence Internationale convidaram os parceiros que aumentam a força das mulheres no sector, em particular no âmbito da resposta humanitária, a seguir uma formação em gestão de parque de veículos destinada às mulheres. Par ailleurs, un échange fort enrichissant sur le thème des discriminations de genre au sein des organisations humanitaires a mobilisé une vingtaine de participants locaux d'ONGs et agences mais aussi le secteur privé.

O PAM apoiou, em fevereiro, um evento de sensibilização (facilitado pelo Cluster Logistique) que convidou os participantes a relatarem as suas experiências e a expressarem, com as suas palavras, as dificuldades com que as mulheres são confrontadas na RCA no sector da logística humanitária. Cette dernière initiative les a invités à réfléchir ensemble sur des mesures qui pourraient être prises pour réduire davantage les inégalités hommes/femmes dans le secteur, et en particulier dans le cadre de la réponse humanitaire.

Les initiatives et les efforts de sensibilisation visant à éveiller les consciences sont toujours encourageants. No entanto, a realidade da discriminação de género afecta todas as mulheres que estão envolvidas na proteção das populações vulneráveis na RCA. A discriminação de género existente no sector logístico tem um impacto humano manifesto, que afecta a eficácia e a eficiência da resposta humanitária.

" J'espère que les actions de cette initiative encouragent les femmes qui travaillent dans la logistique. J'espère également que cela donne aux femmes un espace libre pour s'exprimer." a commenté Virgine Ange, Coordinatrice du Cluster Logistique, République Centrafricaine

Les voix du terrain de la semaine d'activités ont décrit et dénoncés les pratiques de la discrimination de genre, mais aussi ont encouragé les participant(e)s à faire entendre leur voix et leur opinion :

Gender Workshop CAR
Bureau PAM. Bangui. República Centro-Africana. Photo: Bruno Dojoyo/WFP

" Pour combattre les inégalités hommes/femmes, il n'y a pas d'outil plus puissant que l'éducation. " - Fanny, responsável pelas aquisições, CICV

" Il est de notre responsabilité d'attirer l'attention des décideurs, de mener des actions visibles et en prenant la parole, afin de garantir une représentation équitable des intérêts de tous dans la société. " - Félicia Laurine, Assistente de logística na ONG nacional FNOHD.

" Il est indispensable que les décideurs, la société civile, les confessions religieuses et nous acteurs humanitaires, doivent faire un plaidoyer de tous les jours pour le respect des droits des femmes et des filles ainsi que sur les principes d'égalité. " - Rodrigue Renecho, PAM (Bossangoa - Bangui).

" Pour promouvoir l'égalité de genre, il faut sensibiliser la population, et pour s'assurer d'un changement de comportement dans le temps, il faut mettre en place des structures décentralisées, organisées et renforcées. " - Brigitte, Monitoring Assistante, WFP.

" Les conditions d'une réelle égalité entre les femmes et les hommes doivent être assurées dans tous les domaines d'une organisation humanitaire, depuis la conception de la mission, au recrutement à la définition des programmes. " - Elisabeth, Technicienne Approvisionnements, ACF.

" Il est indispensable d'accompagner et encourager les femmes que pretendem prosseguir uma carreira num domínio de compétence voulu, independentemente das tradições do género no sector em questão. " - Cyrille, Chauffeur, ECHO.

" J'ai fait l'expérience du sexisme normalisé dans la logistique mais aussi dans le monde humanitaire. Como gerente neste sector, pude sensibilizar as minhas equipas (maioritariamente masculinas) e pude apoiar algumas das minhas colegas femininas. En République Centrafricaine en particulier, les discriminations liées au genre sont omniprésentes. " - Virginie, Coordinatrice du Cluster Logistique.

Pour plus informations sur l'Initiative Genre lisez ici. Pour en savoir plus sur le travail du Cluster Logistique en République Centrafricaine visitez la page dédiée : https://logcluster.org/ops/caf13a.

-------------------

-------------------

Dia Internacional dos Direitos da Mulher

Igualdade de género na República Centro-Africana (RCA) e vozes do terreno

Para o Dia Internacional da Mulher, o Cluster de Logística na República Centro-Africana (RCA) facilitou uma semana de atividades, como parte da Iniciativa de Gênero liderada pelo Programa Mundial de Alimentos na RCA.

Com o apoio e a facilitação do Cluster de Logística, a WPF e a Première Urgence International convidaram parceiros para celebrar a força das mulheres no sector da logística, particularmente no âmbito da resposta humanitária. Os eventos incluíram uma formação em gestão de frotas dedicada às mulheres e um debate sobre a discriminação de género nas organizações humanitárias. O PAM, com a facilitação do Cluster de Logística, também facilitou um evento de sensibilização, convidando os participantes a falar sobre as suas experiências de trabalho e a expressar as dificuldades que as mulheres ainda enfrentam atualmente na RCA. Os participantes puderam refletir em conjunto sobre as medidas que poderiam ser tomadas para mitigar as desigualdades entre homens e mulheres no sector.

As iniciativas e os esforços de sensibilização são encorajadores, no entanto, a discriminação de género no sector da logística humanitária continua a afetar as mulheres envolvidas no apoio às populações vulneráveis na RCA. A discriminação de género existente tem um impacto humano evidente, o que, em última análise, reduz a eficácia e a eficiência da resposta humanitária para satisfazer as necessidades específicas de todos os beneficiários.

"Espero que esta iniciativa incentive as mulheres que trabalham no sector da logística. Espero também que isto dê um espaço livre para as mulheres se expressarem", disse Virginie Ange, Coordenadora do Cluster de Logística na República Centro-Africana.

Durante esta semana de actividades, vozes do terreno descreveram e denunciaram as práticas de discriminação de género, mas também encorajaram os participantes a levantar as suas vozes e opiniões:

Gender Workshop CAR
Bureau PAM. Bangui. República Centro-Africana. Foto: Foto: Bruno Dojoyo/WFP

"A ferramenta mais poderosa para combater as desigualdades entre homens e mulheres é a educação." - Fanny, responsável pelas aquisições, CICV

"A nossa responsabilidade é sensibilizar os decisores, liderando acções visíveis e falando, para assegurar uma representação equitativa de todos os interesses da sociedade." - Felicia Laurine, assistente de logística do FNOHD.

"Os decisores, a sociedade civil e religiosa, e nós, actores humanitários, devemos defender todos os dias os direitos das mulheres e das raparigas e o respeito dos princípios de igualdade" - Rodrigue Renecho, PAM (Bossangoa - Bangui).

"Para promover a igualdade das mulheres, a população deve ser sensibilizada. Para garantir uma mudança de comportamento a longo prazo, as estruturas necessárias devem ser descentralizadas, organizadas e reforçadas." - Brigitte, Assistente de Monitorização, PAM.

"As condições para uma verdadeira igualdade entre homens e mulheres devem ser asseguradas em todos os domínios de uma organização humanitária: desde a conceção da sua missão até ao recrutamento e à definição dos seus programas para melhor responder às necessidades de todos os beneficiários e para sensibilizar as comunidades" - Elisabeth, Técnica de aprovisionamento, ACF.

"As mulheres, que desejam seguir uma carreira num domínio de competência preferido, devem ser acompanhadas e encorajadas, apesar das tradições baseadas no género no sector em questão" - Cyrille, motorista, ECHO.

"Experimentei o sexismo normalizado na logística, mas também no mundo humanitário. Como gestora no sector, pude sensibilizar as minhas equipas (maioritariamente masculinas) e apoiar algumas das minhas colegas" - Virginie, Coordenadora do Cluster de Logística.

Leia mais sobre a Iniciativa Género na Logística aqui e leia sobre o que a Equipa do Cluster de Logística está a fazer no país: https://logcluster.org/ops/caf13a.

Para conveniência dos utilizadores do sítio Web do Logistics Cluster, alguns conteúdos são traduzidos para diferentes línguas utilizando uma ferramenta de tradução automática. Ao utilizar estas traduções, tenha em atenção que podem existir diferenças ou discrepâncias em relação ao conteúdo original. O Cluster de Logística não é responsável por estas traduções e pela sua exatidão. O texto da versão original deve ser considerado como referência.